Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘voguing’

Semana passada, Lady Gaga lançou o videoclipe Alejandro, uma bobagem cara e pretensiosa que só se tornará clássica se for pelo viés do humor involuntário. O que mais gerou comentários nesse vídeo foi a constatação de que tudo nele já fora visto nos clipes de Madonna, como Vogue, que acaba de completar 20 anos e ainda merece atenção. Tanto que, em abril último, o seriado Glee levou ao ar uma paródia visual que recriava cada detalhe do clipe, com a atriz Jane Lynch – intérprete da personagem Sue Sylvester – no lugar de Madonna.

Vogue também é uma bobagem que mistura antigas referências, mas é bem amarrado por um conceito que une música, dança e vídeo de maneira indissociável. O clipe influenciou imediatamente o mundo da moda, da dança, das pistas e dos próprios videoclipes, tornando-se uma referência nova. Nasceu como um ensaio sobre o poder da imagem e hoje é um belo exemplo disso.

DANÇA: A coreografia criada para Vogue difere do habitual por ser centrada nos braços. Assim foi porque a inspiração era o voguing, estilo de dança originário da cultura gay nova-iorquina, surgido nos anos 80 e que simula poses e ângulos típicos dos ensaios de moda de revistas como a Vogue – daí seu nome. O voguing nasceu na ball culture, cenário gay que, desde os anos 60, reúne, sobretudo, homossexuais negros e latinos para disputar quem desfila melhor em uma passarela imaginária. Tudo isso era muito obscuro e restrito, a subcultura de uma subcultura, até ser reprocessado por Madonna em Vogue e ganhar o mundo de uma outra forma.

IMAGEM: Se a dança remetia às revistas de moda, o vídeo fazia o mesmo, só que Madonna foi beber de fontes mais antigas: a fotografia dos anos 30 e a era de ouro de Hollywood. Vogue procura emular uma estética eternizada no passado por grandes estrelas do cinema, como Jean Harlow, Carole Lombard, Greta Garbo e Marilyn Monroe. Aqui, os signos de glamour e beleza são os mesmos que compunham a linguagem dos fotógrafos Horst P. Horst, Clarence Sinclair Bull, George Hurrell, Ernest Bachrach e Eugene Robert Richee, responsáveis por lendárias fotos de moda e de divulgação de filmes nas décadas de 30 e 40.

MÚSICA: Vogue, a música, trazia para o mainstream o que havia de mais quente nos clubes noturnos de 1990, a house music – com isso, Madonna foi a primeira artista de grande porte a lançar uma faixa de trabalho baseada nesse estilo de música eletrônica. Cerca de dez anos antes, a house music só existia na cena dance alternativa de Chicago; no fim dos anos 80, começou a turbinar as versões remix de sucessos radiofônicos, para só em 1990 se tornar produto de massa pelas mãos de Madonna, em versão mais palatável.

LETRA: A letra da música, por sua vez, exalta o escapismo das pistas de dança, ao mesmo tempo em que cita e reverencia as tais estrelas do passado – Marlene Dietrich, Lauren Bacall, Ginger Rogers, Rita Hayworth, Katherine Hepburn, Grace Kelly etc. O verso “Strike a pose!” – “Faça uma pose!” – é o ponto de interceção entre a música (Vogue), a dança (voguing) e o conceito visual do clipe, baseado em poses clássicas.

Por tudo isso, ainda que seja uma bobagem, Vogue é ao menos uma bobagem consistente, um combo de vídeo, música e coreografia que jogou luz sobre uma subcultura, popularizou um estilo musical alternativo, reviveu os rostos da Hollywood clássica como referências de estilo, ajudou a definir a estética da época com sua fotografia em preto-e-branco e fez um sucesso estrondoso. Também merecem os créditos o produtor Shep Pettibone – co-autor e co-produtor da canção ao lado de Madonna – e o diretor do vídeo, David Fincher, que depois ficaria mais conhecido como cineasta, pelos filmes Clube da luta, Se7en e O curioso caso de Benjamin Button.

Abaixo, esquadrinho algumas das referências utilizadas por Madonna e Fincher no videoclipe:

.

.

A referência visual mais clara de Vogue é a fotografia Mainbocher corset, imagem clássica clicada por Horst P. Horst em 1939.

.

Outra foto de Horst P. Horst reverenciada em Vogue é esta de 1946, Carmen face massage.

.

Outra citação ao fotógrafo Horst P. Horst está nesta releitura da foto Lisa with turban, de 1940.

.

Madonna emula pose clássica da atriz alemã Marlene Dietrich, feita pelo fotógrafo Don English para divulgar o filme O expresso de Shangai em 1932.

.

Citação a outra pose de Dietrich no mesmo ensaio de Don English.

.

A atriz Jean Harlow (a bombshell original) e o fotógrafo George Hurrell (contratado da MGM dos anos 20 aos 40) também são fortes referências em Vogue. Este momento de Madonna no clipe remete a ambos, como mostra a fotografia de Harlow clicada por Hurrell.

.

Outra fotografia de Jean Harlow feita por George Hurrell comprova a influência de ambos.

.

Esta outra foto de George Hurrell mostra que até o vestido usado por Madonna em Vogue é similar ao que Jean Harlow trajava em seu clássico ensaio fotográfico. A frente-única branca e o cabelo louro platinado remetem também ao visual de Marilyn Monroe no filme O pecado mora ao lado, dirigido por Billy Wilder em 1955.

.

Nesta cena de Vogue, o visual de Madonna presta homenagem à atriz Veronica Lake, cuja marca registrada eram as longas madeixas louras e onduladas jogadas para o lado direito. A imagem também usa um recurso que era muito comum nos anos 30 e 40 em fotos de divulgação de atrizes: o rosto duplicado por uma superfície espelhada, como nesta foto da atriz Sylvia Sydney feita por Eugene Robert Richee.

.

Os jogos de sombras, ângulos, composições e alto contraste do fotógrafo Ernest Bachrach também foram fontes de inspiração para Vogue, como mostra esta foto da atriz Carole Lombard feita por ele. Já o figurino e o cabelo de Madonna nesta cena fazem menção a um famoso ensaio fotográfico de Marilyn Monroe.

.

Nesta outra cena de Vogue, referências a cenários, poses e figurinos usados no passado pelas atrizes Carole Lombard (ela de novo!) e Katherine Hepburn. A foto desta última, no canto inferior direito, também é do fotógrafo Ernest Eugene Bachrach.

.

Ao ver Madonna sendo penteada e maquiada no clipe de Vogue, difícil não lembrar desta foto de – sempre ela! – Marilyn Monroe.

.

Greta Garbo, outra forte referência para Madonna em Vogue. A atriz, inclusive, encabeça a lista de estrelas citadas por Madonna na letra da música.

.

E agora, com vocês, Vogue, de Madonna, dirigido por David Fincher:
.

Veja outros posts da série “Os melhores videoclipes de todos os tempos”:

“Justify my love”, Madonna

“Everybody hurts”, REM

“One”, U2

“Sledgehammer”, Peter Gabriel

“Smack my bitch up”, Prodigy

“Trhiller”, Michael Jackson

.

E outros posts sobre Madonna de que você pode gostar:

50 marcas de Madonna no mundo

Desvendando o clipe “Bedtime story”, da Madonna

Anúncios

Read Full Post »