Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Muhammad Ali’

Entre os anos 70 e 80, Andy Warhol usou câmeras Polaroid para fazer centenas de retratos instantâneos de pessoas famosas. Em geral, ele passava uma maquiagem branca em suas celebridades favoritas, para deixar em evidência apenas os contornos básicos de seus rostos, e depois as fotografava bem de perto, com o flash estourado. Muitas das imagens obtidas eram depois usadas como base para a criação de suas famosas serigrafias multicoloridas, objetivo e produto final de seus experimentos com a Polaroid. Porém, com o passar dos anos, essas fotos passaram a ser vistas menos como matéria-prima e processo de trabalho, mais como peças de valor histórico e artístico por si sós.

.
Hoje, de 25 a 40 anos depois, as polaroids de Andy Warhol retratam uma época. Seus instantâneos capturaram um período significativo da história do estilo, do culto às celebridades, do uso artístico da tecnologia, da estética pop, da cultura da superficialidade. De quebra, ainda é divertido passar os olhos por essas fotos e ver como eram Sylvester Stallone, Mick Jagger, Jane Fonda, Arnold Schwarzenegger, Carly Simon, Pelé e outros famosos. Bem, Pelé, na verdade, não mudou nada…

Sylvester Stallone, 1980

 

Farrah Fawcett, 1980

 

Arnold Schwarzenegger, 1977

 

Diana Ross, 1981

 

Alfred Hitchcock, 1973

 

Debbie Harry, 1980

 

Pelé, 1977

 

Liza Minelli, 1977

 

John Lennon, 1980

 

Yoko Ono e John Lennon,1971

 

Sean Lennon, 1985

 

Carly Simon, 1980

 

Muhammad Ali, 1977

 

Jane Fonda, 1982

 

Mick Jagger, 1975

 

Grace Jones, 1984

 

Dennis Hopper, 1977

 

Lana Turner, 1985

 

Truman Capote, 1979

 

Martha Graham, 1979

 

Rudolph Nureyev, 1971

 

Dolly Parton, 1985

 

Keith Haring, 1986

 

Jean-Michel Basquiat, 1982

 

Carolina Herrera, 1978

 

Valentino, 1973

 

Yves Saint-Laurent, 1972

 

Gianni Versace, 1980

 

William S. Burroughs, 1980

 

O. J. Simpson, 1977

 

Paul Anka, 1975

 

Man Ray, 1973

 

Neil Sedaka, 1979

 

Roy Lichtenstein, 1975

Robert Mappelthorpe, 1983

.

.

Veja outros portfólios de fotografia publicados aqui no blog:

Andy Warhol

Annie Leibowitz

Antonio Guerreiro

Brigitte Lacombe

Bruce Davidson

Emma Hack

Gregory Colbert

Harry Benson

Herman Leonard

Hiroshi Sugimoto

Jean Manzon

Marcos López

Mark Seliger

Mert & Marcus

Michel Comte

Patrick Demarchelier

Rankin

Richard Avedon

Sam Jones

Steven Klein

Terry Richardson

Yann Arthurs-Bertrand

Anúncios

Read Full Post »

Quando vi a capa da próxima coletânea de Madonna, Celebration, achei horrível, pobre, arremedo óbvio de Andy Warhol. Até que parei para pesquisar o trabalho do responsável pela arte: o francês Thierry Guetta, mais conhecido como Mr. Brainwash ou MBW. É um artista de rua com centenas de trabalhos espalhados pelos muros e fachadas de Los Angeles e Nova York. Sim, ele brinca com as marcas registradas de Warhol (e de Marcel Duchamp, e de Jackson Pollock), tomando assuntos e personalidades da atualidade como temas. Ver sua arte aplicada em grandes espaços tem um impacto muito diferente do de observar a diminuta capa de um disco. No fim das contas, virei fã de Mr. Brainwash. E já nem acho a capa do CD da Madonna tão ruim assim…

Mr Brainwash - Madonna CelebrationCapa da coletânea Celebration, de Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna Celebration 02Capa do single Celebration, de Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna e Angelina JolieMadonna e Angelina Jolie

 

Mr Brainwash - Madonna e Marilyn MonroeÁrvore genealógica: Marilyn Monroe, Madonna e Britney Spears

 

Mr Brainwash - Marilyn Moroe e Britney SpearsMarilyn Monroe e Britney Spears

 

Mr Brainwash - Madonna e Britney SpearsO famoso beijo de Britney Spears e Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna e Britney Spears 02O beijo de Britney Spears e Madonna nas ruas

 

Mr Brainwash - Gentlemen prefer blondsOs homens preferem as louras

 

Mr Brainwash - Dr SpockDr. Spock

 

Mr Brainwash - Jack NicholsonJack Nicholson

 

Mr Brainwash - Michael Jackson - Circus girlMichael Jackson – Circus girl

 

Mr Brainwash - Kanye WestKanye West

 

Mr Brainwash - BeatlesThe Beatles

 

Mr Brainwash - Billie HolidayBillie Holiday

 

Mr Brainwash - John LennonJohn Lennon

 

Mr Brainwash - LA LakersLA Lakers

 

Mr Brainwash - Mohammed AliMuhammad Ali (Cassius Clay)

 

Mr Brainwash - Mohammed Ali 02JPGMuhammad Ali (Cassius Clay) em ação

 

Mr Brainwash - Morrissey - I'm throwing my arms around ParisCapa do single I’m throwing my arms around Paris, de Morrissey

 

Mr Brainwash - Rolling StonesThe Rolling Stones

 

Mr Brainwash - Rosa Parks - Martin Luther King Jr - Barack ObamaRosa Parks, Martin Luther King Jr. e Barack Obama

 

Mr Brainwash - RuaAlfred Hitchcock, Syd Vicious, Salvador Dalí etc

 

Mr Brainwash - Salvador DaliSalvador Dalí

 

Mr Brainwash - Star WarsStar Wars

 

Mr Brainwash - Super Barack Obama 01Super-Barack Obama

 

Mr Brainwash - Thelonius MonkThelonius Monk

 

Mr Brainwash - Jimi Hendrix

Jimi Hendrix

 

Mr Brainwash - Elvis Presley

Elvis Presley

 

Mr Brainwash - Michael Jackson

Michael Jackson

Read Full Post »

(continuação)

Nos anos 60, as capas da Esquire perderam as pin-ups, as ilustrações, as imagens sem relação com o conteúdo interno da revista e o seu mascote (uma carinha de homem desenhada que, até então, estava presente em todas as edições). Foi nessa década que a Esquire passou a apostar em capas criativas, fotografia e temas polêmicos, como você pode ver abaixo.

E RELEMBRE: As melhores capas da Esquire nos anos 50

esquire1960marcoMarço de 1960: O assunto é o novo romance de Colette, mas a mulher da capa é outra pessoa

 

esquire1965marcoMarço de 1965: Estaria a mulher se masculinizando?

 

esquire1965junhoJunho de 1965: Sean Connery, símbolo sexual como James Bond

 

esquire1966fevereiroFevereiro de 1966: Woody Allen e Ann-Margret

 

esquire1966maioMaio de 1966: No auge da guerra fria, até sexo era instrumento de espionagem

 

esquire1966agostoAgosto de 1966: Floyd Patterson e Muhammad Ali (Cassius Clay)

 

esquire1966outubroOutubro de 1966: A verdade sobre a Guerra do Vietnã

 

esquire1968abrilAbril de 1968: Muhammad Ali, muçulmano, dando uma de São Sebastião

 

esquire1968maioMaio de 1968: Richard Nixon às vésperas de ser eleito presidente dos EUA

 

esquire1968novembroNovembro de 1968: Jean Genet, William Burroughs, Terry Southern e John Sack

 

esquire1968dezembroDezembro de 1968: Os estereótipos femininos

 

esquire1969maioMaio de 1969: Andy Warhol e a decadência da arte de vanguarda

 

esquire1969agostoAgosto de 1969: A moral americana em debate

 

esquire1969setembroSetembro de 1969

 Em breve, veja aqui as melhores capas da Esquire nos anos 70.

Read Full Post »

Em 2005, a Sociedade Americana dos Editores de Revistas (ASME, na sigla em inglês) fez uma lista daquelas que seriam as 40 melhores capas de revista norte-americanas editadas desde 1965. Mostro aqui algumas delas. Para ver todas, é só ir no site da American Society of Magazine Editors.

 

1. RollingStone (22/01/1981) – A linda foto de John Lennon e Yoko Ono foi feita pela fotógrafa Annie Leibovitz algumas horas antes de o cantor ser assassinado. A imagem acabou sendo usada de uma forma que não era a pretendida: como capa de uma edição em homenagem póstuma ao ex-beatle.

 

2. Vanity Fair (agosto/1991) – O que uma boa capa não é capaz de fazer? Esta, também fotografada pela incrível Annie Leibovitz, fez mais por Demi Moore do que o filme Ghost. Sua foto nua e grávida teve tanta repercussão que não seria exagero dizer que essa capa da Vanity Fair ajudou a alçar a atriz ao primeiro time de Hollywood, status que levou um bom tempo para ser perdido.

 

3. Esquire (abril/1968) – Uma capa polêmica para um assunto polêmico. O pugilista Muhammad Ali (Cassius Clay) havia se recusado a servir ao Exército americano – o que é contra a lei – em plena Guerra do Vietnã, por questões religiosas. Como represália, ele foi impedido de lutar e perdeu seus títulos de campeão. Esta capa da Esquire, idealizada pelo designer George Lois, expunha o lutador flechado como São Sebastião, santo que, além de ser padroeiro dos atletas, morreu por ter se mantido fiel a sua crença. Imagine o tamanho do escândalo nos anos 1960: uma revista de prestígio defendia a deserção do Exército mostrando em sua capa um negro muçulmano que imitava um santo católico!

 

5. Esquire (maio/1969) – O artista plástico Andy Warhol topou aparecer numa capa irônica, que alardeava um suposto declínio da arte de vanguarda nos EUA. Representante máximo da vanguardista pop art, Warhol aparece afundando numa lata de sopa Campbell, um dos mais famosos ícones de sua obra. De quebra, o artista ainda se mostrava totalmente despido do glamour que sempre o cercou no mundo dos ricos e famosos. A direção de arte também é de George Lois.

 

6. The New Yorker (24/09/2001) – A capa parece totalmente vazia, exceto pela logo, mas repare bem: a silhueta das torres gêmeas do World Trade Center está lá. É como se, mesmo no vazio, elas continuassem sendo vistas, como um fantasma ou uma memória que não se consegue deixar para trás. A revista saiu poucos dias após a destruição dos prédios. O trabalho é de Art Spiegelman, inspirado na obra de Ad Reinhardt e editado por Farnoise Mouly.

 

7. National Lampoon (janeiro/1973) – Esta é a capa mais famosa da lendária revista de humor. A chamada diz: “Se você não comprar esta revista, nós vamos matar este cachorro”. Foto de Ronald G. Harris.

 

8. Esquire (outubro/1966) – Esta capa vai contra a idéia de que uma imagem vale mais que mil palavras. A reportagem em questão tinha 33 mil palavras, a mais longa da história da Esquire, e ajudou a mudar a opinião pública americana em relação à Guerra do Vietnã. A matéria, escrita por John Sack, é um dos marcos do New Journalism (novo jornalismo). A chamada diz: “Oh, meu Deus, nós acertamos uma garotinha.”

 

10. National Geographic (junho/1985) – A foto, feita por Steve McCurry, é uma das mais famosas de todos os tempos. Ela mostra o medo estampado nos incríveis olhos azuis de uma menina de 12 anos, refugiada que vivia em condições miseráveis num campo na fronteira do Afeganistão com o Paquistão. Na época, a União Soviética guerreava contra o Afeganistão, que era apoiado pelos EUA. Como se sabe, o feitiço virou contra o feiticeiro em 11 de setembro de 2001.

 

11. Life (30/04/1965) – Antes da publicação dessa edição da Life, repleta de fotos impressionantes feitas por Linnart Nilssons, o mundo não sabia exatamente como era um feto dentro de um útero. O que aparece na capa tinha 18 semanas de gestação. As discussões pró e contra o aborto nunca mais foram as mesmas. O livro de Nilssons com esta e outras fotos vendeu oito milhões de exemplares em apenas quatro dias.

 

12. Time (08/04/1966) – “Deus está morto?” É a pergunta feita pela Time numa capa sem foto ou ilustração alguma. Na reportagem, diversos estudiosos e teólogos anunciavam a ausência de Deus na vida das pessoas e a morte da religião. Imagine a reação dos leitores americanos.

 

13. Life Edição Especial (1969) – Esta edição histórica mostrava e contava tudo sobre a chegada da Apollo 11 na Lua. Na capa, o astronauta Buzz Aldrin, fotografado pelo colega Neil Armstrong. A revista traz imagens que marcaram a história da Humanidade e influenciaram a cultura.

 

15. Harper’s Bazaar (abril/1965) – Esta capa, que mostra a modelo Jean Shrimpton usando um simulacro de capacete espacial cor-de-rosa, foi fotografada por Richard Avedon e é um dos ícones dos anos 1960.

 

16. The Economist (10-16/09/1994) – Quem poderia imaginar que algum dia a mais renomada revista especializada em economia traria em sua capa uma foto de dois camelos em plena cópula? Foi a imagem que The Economist escolheu para alardear sua matéria sobre o lado ruim da fusão entre empresas.

 

17. Time (21/06/1968) – A ilustração é de Roy Lichtenstein. Um revólver fumegante apontado para o leitor alertava para a necessidade urgente de regulamentar a compra e a venda de armas nos EUA. Martin Luther King e Robert Kennedy tinham acabado de ser assassinados. Até aquele momento, por incrível que pareça, nenhuma lei americana impedia que armas fossem compradas por menores de idade, deficientes mentais ou criminosos. O Congresso mudou isso naquele mesmo ano.

 

20. Blue (outubro/1997) – Esta capa é um clássico do designer David Carson, feita para a edição inaugural da revista Blue, voltada para pessoas com espírito de aventura.

 

21. Life (26/11/1965) – “A dura realidade da Guerra do Vietnã”. Com essa chamada e a foto de um prisioneiro vietcongue vendado e amordaçado, a revista Life ajudou a mostrar aos americanos que aquela guerra não era exatamente como todos pensavam. A foto foi feita por Paul Schutzers.

 

24. Interview (dezembro/1972) – Esta edição de Natal da Interview trazia Andy Warhol, fundador da revista, fotografando a modelo (e futura cantora) Grace Jones.

 

25. Time (14/09/2001) – Outra grande capa sobre os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001. A capa da Time, com fotografia de Lyle Owerkoof, não precisava de chamada. Era impossível alguém nos EUA não saber do que se tratava.

 

29. Playboy (outubro/1971) – Fundada em 1953, a revista Playboy esperou até 1971 para estampar uma mulher negra em sua capa pela primeira vez. A escolhida foi Darine Stern, fotografada por Richard Fegley numa cadeira com o formato do coelhinho símbolo da publicação.

 

29. Fortune (01/10/2001) – O 11 de Setembro rendeu várias ótimas capas. Outra delas foi esta da Fortune sobre as conseqüências financeiras do ataque terrorista. A foto, que mostra um executivo sobrevivente da queda das torres gêmeas, é uma das mais famosas da tragédia.

 

36. People (15/09/1997) – Esta foi a última das 52 capas que a revista People dedicou à princesa Diana ao longo de sua existência. A ex-mulher de Charles era garantia de vendas para a publicação, especializada em bisbilhotar a vida de celebridades. Foi nessa roda-viva que Diana morreu, e a People explorou sua imagem pela última vez com uma capa bastante elegante, fora de seus padrões.

 

37. National Geographic (outubro/1978) – Mais impressionante do que ver um gorila empunhando uma câmera fotográfica na capa de uma revista é descobrir que tal foto é, na verdade, um auto-retrato, feito pelo próprio animal diante de um espelho e com ótima qualidade técnica. A reportagem de capa tratava de recentes descobertas sobre a capacidade lingüística dos gorilas.

Read Full Post »

Read Full Post »

Enquanto vêem a indústria fonográfica ruir, as gravadoras buscam novas formas de ganhar dinheiro. A ordem do dia é explorar o que não havia sido explorado até então. Por conta disso, elas agora começam a vender reproduções de fotos raras de seu acervo. A Sony BMG, por exemplo, espera faturar US$ 1 milhão por ano com a venda de fotos como estas abaixo, feitas por Don Hustein entre os anos 50 e 60 no 13th Street Studio, raridades oriundas da Columbia Records. Estão cobrando entre US$ 300 e US$ 1.700 por cada uma no site Icon Collectibles.

Aretha Franklin aos 18 anos, em 1960, antes de se tornar a rainha do soul. Foto: Don Hustein

 

Tony Bennett em janeiro de 1960. Foto: Don Hustein

 

Johnny Cash em outubro de 1959. Foto: Don Hustein

 

Bob Dylan em 1965, o ano em que ele chocou os norte-americanos ao introduzir a guitarra elétrica na folk music. Foto: Don Hustein

 

Miles Davis nas gravações de Porgy and Bess, em julho de 1958. Foto: Don Hustein

 

Miles Davis nas gravações do álbum Kind of blue, em abril de 1959. Foto: Don Hustein

 

Miles Davis nas gravações do álbum Quiet nights, trabalho em parceria com Gil Evans, em agosto de 1962. Foto: Don Hustein

 

Bob Dylan durante as gravações do álbum Highway 61 revisited, em junho de 1965. Foto: Don Hustein

 

Billie Holiday gravando o álbum Lady in satin, em dezembro de 1957. Foto: Don Hustein

 

Cassius Clay antes de se tornar o boxeador campeão Muhammad Ali, ainda como cantor. Foto: Don Hustein

[Fonte: RollingStone]

Read Full Post »