Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Marco Antônio Braz’

as noivas de Nelson 00

Uma peça de teatro pode ter humor acessível, de fazer o público rir o tempo todo, sem ser chula, artisticamente pobre nem apelativa. Uma prova disso é As noivas de Nelson, montagem da Cia. Paulista de Artes, com direção de Marco Antônio Braz, atualmente em cartaz no Solar de Botafogo, no Rio de Janeiro. O espetáculo tem texto de autor consagrado – Nelson Rodrigues – e potencial para fazer gargalhar tanto o sujeito sofisticado que não aplaude qualquer coisa quanto aquele que só compra o ingresso se o bilheteiro lhe assegurar que a peça é “de rir”.

as noivas de Nelson 01Alcançar essa equação é vitória das mais suadas. O mérito, neste caso, é dividido entre o diretor e o elenco. Ambos souberam explorar o que há de cômico nas tragédias, na linguagem e nos personagens de Nelson Rodrigues, ousando transformar drama em comédia. Não poderia haver meio-termo: ou daria muito certo, ou muito errado. Deu certo.

A peça reúne 5 contos de A vida como ela é, coluna que Nelson manteve no jornal carioca Última Hora ao longo dos anos 50: Excesso de trabalho, Delicado, O sacrilégio, O pastelzinho e Feia demais. Todos envolvem as ideias de casamento e morte, refletidas nos fúnebres figurinos e cenário de Juliana Fernandes e na maquiagem de Edivaldo Zanotti, com todo o elenco caracterizado como defunto.

as noivas de Nelson 02Os dez atores se revezam entre dezenas de personagens, saindo-se, em geral, muito bem, tanto nos papéis importantes quanto nos que são meras figurações. Mesmo quando os atores encarnam “personagens” sem fala e com cerca de apenas um minuto em cena, chama atenção o trabalho individual de cada um, ainda que haja outros tantos colegas no palco simultaneamente.

Braz, o diretor, recentemente premiado com o Shell pela direção de A alma boa de Setsuan, conduziu belamente essa grande “orquestra” de tantos talentos diferentes entre si, explorando cada oportunidade de humor no tempo certo, equilibrando momentos de histrionismo coletivo com outros em que um ou outro ator específico tem a oportunidade de brilhar sozinho. O ritmo do espetáculo, como um todo, é vertiginoso, mas a plateia nunca fica cansada. Pelo contrário: ao final dos 75 minutos de apresentação, paira o lamento por não haver um sexto conto de Nelson na peça.

as noivas de Nelson 03Um único porém, sem muita importância: talvez o espectador fosse embora ainda mais feliz se o conto escolhido para encerrar o espetáculo fosse outro que não Feia demais, pois o final deste não é propriamente engraçado.

Anúncios

Read Full Post »