Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Elvis Presley’

Cantores adoram aparecer, de preferência em escala mundial. Seja pela futilidade da fama, pelo reconhecimento ao seu trabalho ou por uma causa nobre. Para isso, nada como injetar polêmica em um número musical transmitido ao vivo pela TV. Tanto que, nos últimos anos, as festas de entrega dos grandes prêmios da música se assemelham mais a competições para ver quem consegue causar mais impacto no palco. Na mais recente delas, o American Music Awards, o novato Adam Lambert apelou para o homoerotismo masculino, na tentativa de levar sua fama para além do American Idol. Ele não me impressionou, mas me motivou a puxar pela memória e remontar a longa estrada de polêmicas que o rock e o pop construíram na TV. Se hoje os artistas têm que rebolar – no sentido figurado – para polemizar enquanto cantam diante das câmeras, nos anos 50 bastava rebolar – literalmente – para atingir esse objetivo.

Elvis Presley, 1956
É difícil de entender, mas é verdade: o mundo já foi careta a ponto de se escandalizar com o requebrado de Elvis Presley. Diziam que aquilo era pornografia, coisa do demo, que ia degenerar a juventude… Até proibiram as emissoras de TV de mostrar o cantor da cintura pra baixo! Clique aqui e veja o ritmo da pélvis de Elvis enquanto ele canta Hound dog no The Milton Berle Show.

.

The Doors, 1967
A banda só tocou Light my fire no Ed Sullivan Show porque Jim Morrison concordara em substituir “higher” por “bettter” no verso “girl, we couldn’t get much higher”. A ideia era anular a alusão que a música faz às drogas (ou ao sexo, dependendo da sua interpretação). Afinal, tratava-se de um programa de TV muito popular e com público familiar. Mas, na hora H, ao vivo, Morrison cantou a música exatamente como ela era, deixando chocados os telespectadores mais caretas. Ed Sullivan ficou revoltado, recusou-se a cumprimentar o cantor no final e cancelou seus planos de convidar a banda outras vezes. Assista!

.

 

The Who, 1967
Em 1964, a banda inaugurou a tradição de roqueiro destruir seus instrumentos no palco. O que começou como acesso de fúria real virou lugar comum. Em 1967, quando eles tocaram My generation no programa de TV Smothers Brothers Comedy Hour, o artifício já tinha se tornado piada. Porém, naquela ocasião, a banda exagerou: eles não apenas destruíram a guitarra e os amplificadores, mas também usaram explosivos para jogar a bateria pelos ares. Talvez tenha nascido ali a ideia de que, para vencer no mundo da música, é preciso “causar” ao vivo na TV, surpreendendo o público com algo imprevisível que vá além do talento musical. Assista!

.

Madonna, 1984
No primeiro MTV Vídeo Music Award, Madonna roubou a cena ao cantar Like a virgin. Exalando vulgaridade e usando um vestido de noiva que parecia comprado em sex shop, ela rolou pelo palco para cantar que se sentia uma virgem sendo deflorada. Desgrenhada, ela gemia, se arrastava, fazia cara de piranha e deixava a calcinha aparecer. Ela já fazia sucesso nessa época, mas essa apresentação a tornou ainda mais famosa e fez com que o público passasse a prestar atenção em tudo que ela fizesse, na expectativa de algum lance surpreendente. Hoje, já tendo visto Madonna protagonizar tantos escândalos, fica difícil acreditar que ela um dia causou furor só porque bancou a piriguete na premiação da MTV. Mas assim foi. Assista!

.

Prince, 1991
Para cantar Gett off na festa dos Vídeo Music Awards, da MTV, Prince levou 80 pessoas seminuas para ocupar todo o palco da premiação e simular uma grande orgia. E ele ainda foi vestido com uma roupitcha amarela que deixava suas nádegas de fora. No dia seguinte, só se falava nisso quando o assunto era o VMA’s. Porém, a provocação do baixinho logo foi esquecida.

.

.

.

.

Sinéad O’Connor, 1992
Em sua participação especial no humorístico Saturday Night Live, a cantora irlandesa cantou uma cover arrepiante de War, de Bob Marley, acapella. A letra fora ligeiramente adaptada para fazer menção às recentes e crescentes denúncias de abuso sexual de crianças cometido por padres. Tudo ia bem até que, no último verso da canção (“Nós acreditamos na vitória do bem contra o mal”), Sinéad mostrou uma foto do papa João Paulo II, de modo a dar a entender que ele representava o “mal”. Na sequência, ela ordenou: “Lute contra o verdadeiro inimigo”. E rasgou a foto, jogando os pedaços na direção da câmera que a filmava de frente. Tudo isso aconteceu ao vivo na TV. A plateia do programa, acostumada a aplaudir todo e qualquer número musical, ficou completamente em silêncio, chocada – sem palmas, sem vaias, sem suspiros nem burburinhos. Assista!

.

KLF, 1992
O grupo eletrônico KLF fez muito sucesso em 1991, ano em que foi o maior vendedor de singles no mundo. Ninguém sabia ainda que o projeto não fora criado para durar, mas para zombar da indústria fonográfica. James Cauty e Bill Drummond, seus idealizadores, queriam apenas mostrar que eram capazes de conquistar as massas. Conquistaram e, como era de se esperar, foram convidados a se apresentar na festa de entrega do Brit Award de 1992, transmitido ao vivo pela BBC. Ao subir no palco para tocar 3 a.m. eternal, seu maior sucesso, o KLF chocou público e indústria ao sabotar sua própria apresentação. Eles tocaram uma desagradável e irreconhecível versão thrash metal da música, enquanto usavam uma espingarda para disparar tiros de festim na platéia atônita. Ao fim do bizarro número musical, o KLF declarou que estava se retirando do mercado fonográfico, promessa cumprida dias depois, quando o grupo destruiu todo o seu catálogo, a despeito da fortuna que seus discos lhes proporcionavam. Naquela mesma noite, Cauty e sua turma depositaram a carcaça de uma ovelha na entrada da festa pós-premiação, juntamente com 30 litros de sangue do animal e a inscrição “Eu morri por você – bon appetit”. Assista!

.

Madonna, Britney Spears e Christina Aguilera, 2003
Para abrir a vigésima entrega do MTV Vídeo Music Awards, Madonna cantou Hollywood numa apresentação que aludia a sua primeira e histórica performance no VMA’s. Porém, desta vez, Madonna era o “noivo”, trajando fraque preto para desposar as noivinhas Britney Spears e Christina Aguilera. E o auge desse casamento triplo, lésbico e simbólico foi a hora do beijo, quando Madonna e Britney se beijaram na boca, uma das imagens mais vistas e comentadas dos anos 2000. Madonna beijou Christina em seguida. Assista!

.

Janet Jackson e Justin Timberlake, 2004
É considerado uma grande honra fazer o show do intervalo do Super Bowl, transmissão ao vivo que é a maior audiência da TV americana. Em 2004, o privilégio foi de Janet Jackson. Para encerrar sua apresentação, ela fez um dueto com Justin Timberlake, cantando Rock your body, sucesso dele. No último verso (“Porque eu tenho que te deixar nua até o fim desta canção”), Justin passou a mão no figurino de Janet e a deixou com um seio parcialmente à mostra por 2 segundos. Foi o suficiente para chocar a América (!). Desde então, a maior parte das transmissões ao vivo de grandes eventos na TV americana não acontece mais em tempo real, mas com um atraso de 5 segundos, para que seja possível cortar qualquer detalhe considerado inadequado. Janet Jackson, cuja imagem sempre foi exemplar, saiu do incidente com sua reputação abalada. O curioso é que Justin Timberlake só fez brilhar ainda mais depois disso. Mundinho machista… Assista!

.

Adam Lambert, 2009
Perdedor mais bem sucedido do American Idol, Adam Lambert assimilou todas as lições acima e subiu ao palco do último American Music Awards disposto a causar. Ele entendeu que polêmica ao vivo na TV é capaz de roubar a cena e virar assunto por anos a fio. Então, durante sua apresentação da música For your entertainment, ele levou o rosto de um bailarino até sua genitália, aludindo a sexo oral gay. Com isso, ele até foi assunto, mas o público não lhe deu tanta atenção assim, talvez por ter percebido que estava sendo vítima de uma tentativa de manipulação. Depois de 50 anos, somos gatos escaldados. Assista!

Anúncios

Read Full Post »

Dean Martin - Shirley MacLaine - Elvis Presley

Read Full Post »

Quando vi a capa da próxima coletânea de Madonna, Celebration, achei horrível, pobre, arremedo óbvio de Andy Warhol. Até que parei para pesquisar o trabalho do responsável pela arte: o francês Thierry Guetta, mais conhecido como Mr. Brainwash ou MBW. É um artista de rua com centenas de trabalhos espalhados pelos muros e fachadas de Los Angeles e Nova York. Sim, ele brinca com as marcas registradas de Warhol (e de Marcel Duchamp, e de Jackson Pollock), tomando assuntos e personalidades da atualidade como temas. Ver sua arte aplicada em grandes espaços tem um impacto muito diferente do de observar a diminuta capa de um disco. No fim das contas, virei fã de Mr. Brainwash. E já nem acho a capa do CD da Madonna tão ruim assim…

Mr Brainwash - Madonna CelebrationCapa da coletânea Celebration, de Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna Celebration 02Capa do single Celebration, de Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna e Angelina JolieMadonna e Angelina Jolie

 

Mr Brainwash - Madonna e Marilyn MonroeÁrvore genealógica: Marilyn Monroe, Madonna e Britney Spears

 

Mr Brainwash - Marilyn Moroe e Britney SpearsMarilyn Monroe e Britney Spears

 

Mr Brainwash - Madonna e Britney SpearsO famoso beijo de Britney Spears e Madonna

 

Mr Brainwash - Madonna e Britney Spears 02O beijo de Britney Spears e Madonna nas ruas

 

Mr Brainwash - Gentlemen prefer blondsOs homens preferem as louras

 

Mr Brainwash - Dr SpockDr. Spock

 

Mr Brainwash - Jack NicholsonJack Nicholson

 

Mr Brainwash - Michael Jackson - Circus girlMichael Jackson – Circus girl

 

Mr Brainwash - Kanye WestKanye West

 

Mr Brainwash - BeatlesThe Beatles

 

Mr Brainwash - Billie HolidayBillie Holiday

 

Mr Brainwash - John LennonJohn Lennon

 

Mr Brainwash - LA LakersLA Lakers

 

Mr Brainwash - Mohammed AliMuhammad Ali (Cassius Clay)

 

Mr Brainwash - Mohammed Ali 02JPGMuhammad Ali (Cassius Clay) em ação

 

Mr Brainwash - Morrissey - I'm throwing my arms around ParisCapa do single I’m throwing my arms around Paris, de Morrissey

 

Mr Brainwash - Rolling StonesThe Rolling Stones

 

Mr Brainwash - Rosa Parks - Martin Luther King Jr - Barack ObamaRosa Parks, Martin Luther King Jr. e Barack Obama

 

Mr Brainwash - RuaAlfred Hitchcock, Syd Vicious, Salvador Dalí etc

 

Mr Brainwash - Salvador DaliSalvador Dalí

 

Mr Brainwash - Star WarsStar Wars

 

Mr Brainwash - Super Barack Obama 01Super-Barack Obama

 

Mr Brainwash - Thelonius MonkThelonius Monk

 

Mr Brainwash - Jimi Hendrix

Jimi Hendrix

 

Mr Brainwash - Elvis Presley

Elvis Presley

 

Mr Brainwash - Michael Jackson

Michael Jackson

Read Full Post »

jerry-lee-lewis-carl-perkins-elvis-presley-johnny-cash

Read Full Post »

A pirataria está generalizada, está todo mundo baixando música sem pagar e as vendas de discos despencaram. Para os popstars, uma das maneiras de sair da crise é licenciando seu nome e imagem para a venda de produtos oficiais que levem sua marca. OK, é válido, mas alguns perderam a noção:

012Detector de Metal Bill Wyman, com assinatura do baixista original dos Rolling Stones e tudo! O produto tem até site oficial para venda (veja aqui!). O utensílio é dedicado aos caçadores de tesouros. 

 

022Calça de pijama …And justice for all, do Metallica. Não é meigo?

 

031Caixão do Kiss. Dimebag Darrell, guitarrista do Pantera, foi enterrado num desses.

 

041Camisinha do 50 Cent. Marca: Magic Stick (Vara Mágica). Slogan: “Nós entramos com a mágica, você entra com a paixão”.

 

051Escova de dentes We Will Rock You, autorizada e divulgada pelos remanescentes do Queen. Enquanto você escova os dentes, ela toca dois minutos desse clássico do rock. Slogan: “Rock your mouth clean!”

 

062Molho de pimenta do Joe Perry, guitarrista do Aerosmith. Slogan: “Se você vai tocar, toque alto. Se vai cozinhar, cozinhe com fogo”.

 

071Site de busca do Kanye West. Para concorrer com o Google, ele premia os usuários. Acesse: Searchwithkanyewest.com

 

082Em 2006, o rapper Snoop Dogg lançou seu cachorro quente. Nome? Snoop Dogg, claro!

 

091Aplique de cabelo da Jessica Simpson. Sem comentários.

 

102Travesseiros de pescoço do Elvis Presley. US$ 9,99 na loja oficial do cantor morto que mais faz dinheiro. Compre um desses e faça sucesso no avião!
 

[Fontes: NME, Shop Elvis e Virgin Media]

Read Full Post »

Ando com saudade de ouvir The Smiths. E lembrei que seus discos não eram bons apenas pela música, mas também pela capa. A arte gráfica dos álbuns e compactos da banda sempre traziam figuras do cinema underground, anônimos em fotos charmosas, celebridades bizarras ou mesmo grandes ícones em fotografias raras. Em geral, era difícílimo identificar a origem de cada capa só de olhar. Pra matar a saudade e a charada que representa cada capa dos Smiths, passeei pela internet e mostro aqui essas belezas devidamente explicadas. As capas foram criadas por Morrissey e Joe Slee, coordenador de arte da gravadora Rough Trade, e mostram imagens, artistas e filmes que inspiraram o líder da banda:

 

hi_1983_handinglove7_smithslondon_1Leo Ford, astro pornô gay, na capa do single Hand in glove (1983)

 

hi_1983_thischarming7_1992_1O ator Jean Marais no filme Orfeu (1949), capa do single This charming man (1983)

 

hi_1984_whatdiff7_stamp2_1O ator Terence Stamp no filme O colecionador (1965), capa do single What difference does it make? (1984)

 

hi_1984_smiths10_1O ator e garoto de programa Joe Dallesandro no filme Flesh, de Andy Warhol, capa do álbum The Smiths (1984)

 

hi_1984_heaven12_1Viv Nicholson, inglesa que ficou famosa em 1961 por ter ganhado o que hoje equivale a 5 milhões de libras na loteria esportiva, capa do single Heaven knows I’m miserable now (1984)

 

hi_1984_william17_1Foto de um anúncio de caixas acústicas, do início dos anos 80, capa do single William, it was really nothing (1984)

 

hi_1984_william212_1A capa anterior rendeu problemas jurídicos e o single foi reimpresso com esta outra capa, que mostra a atriz Billie Whitelaw no filme Charlie Bubbles, a máscara e o rosto (1968)

 

hi_1984_hatful10_1O até então anônimo Fabrice Colette fotografado por Gilles Decroix para uma matéria do jornal francês Libération (1983), capa do álbum Hatful of hollow (1984)

 

hi_1985_howsoon12_uk_1O ator Sean Barrett no filme Dunkirk (1958), capa do single How soon is now? (1985)

 

hi_1985_meat12_1Imagem do documentário In the year of the pig (1968), capa do álbum Meat is murder (1985)

 

hi_1985_shakespeare12_1A atriz Pat Phoenix na telenovela britânica Coronation Street, capa do single Shakespeare’s sister (1985)

 

hi_1985_barbarism12_promo_1Viv Nicholson (a mesma que ganhou na loteria, vide acima), agora na capa do single Barbarism begins at home (1985)

 

hi_1985_headmaster12_dutch_1Robert Duncan em cena de rodeio do filme The uncle (1965), capa do single The headmaster ritual (1985)

 

hi_1985_thejoke12_1Criança desconhecida em cena do filme ucraniano The enchanted Desna (1965), em foto extraída da revista Film and filmaking, capa do single That joke isn’t funny anymore (1985)

 

hi_1985_theboy12_1O ainda bem jovem escritor Truman Capote, capa do single The boy with the thorn in his side (1985)

 

hi_1986_bigmouth12_greek_1O ator James Dean em foto feita por Nelva Jean Thomas em 1948, capa do single Bigmouth strikes again (1986)

 

hi_1986_thequeenisdead10_1O ator francês Alain Delon no filme L’insoumis (1964), capa do álbum The queen is dead (1986)

 

hi_1986_panic7_1O ator americano Richard Bradford, capa do single Panic (1986)

 

hi_1986_somegirls12_1A atriz britânica Yootha Joyce no set do filme Catch us if you can (1965), capa do single Some girls are bigger than others (1986)

 

hi_1986_ask7_german_1O ator Colin Campbell no filme The leather boys (1964), capa do single Ask (1987)

 

hi_1987_shoplifters12_1Elvis Presley fotografado por seu cabeleireiro J. R. Reid em 1955, capa do single Shoplifters of the world unite (1987)

 

hi_1987_worldwontlisten12_1Adolescentes nos anos 50, em foto de Jurgen Vollmer publicada no livro Rock’n’roll times, capa da compilação The world won’t listen (1987)

 

hi_1987_sheila12_1O transexual Candy Darling, dos filmes de Andy Warhol, capa do single Sheila take a bow (1987)

 

hi_1987_louder12_1A dramaturga britânica Shelagh Delaney, capa da coletânea Louder than bombs (1987)

 

hi_1987_girlfriend12_grey_1A mesma pessoa da capa acima, agora na capa do single Girlfriend in a coma (1987)

 

hi_1987_strangeways12_1O ator americano Richard Davalos, capa do álbum Strangeways, here we come (1987)

 

hi_1987_istarted7_1A atriz britânica Avril Angers no filme The family way (1966), capa do single I started something I couldn’t finish (1987)

 

hi_1987_stopme12_dutch_1O cantor e ator britânico Murray Head no filme The family way (1966), capa do single Stop me if you think you’ve heard this one before (1987)

 

hi_1987_lastnightcd_1O roqueiro britânico Billy Fury, capa do single Last night I dreamt that somebody loved me (1987)

 

hi_1988_rank12_1A atriz britânica Alexandra Bastebo, capa do álbum Rank (1988)

 

hi_1992_best112_uk_1
hi_1992_best212_uk_1Capas dos volumes 1 e 2 da coletânea Best (1992), que trazem a mesma foto cortada ao meio, mostrando um casal de motociclistas fotografados pelo ator Dennis Hopper. A foto foi extraída do livro Out of the sixties, lançado pelo ator em 1986.

 

hi_1992_best1cd_1
hi_1992_best2cd_1Capas da versão americana dos volumes 1 e 2 da coletânea Best (1992), com o ator americano Richard Davalos

 

hi_1992_howsoon7_1Os atores britânicos Vanessa Redgrave e David Hemmings no filme Blow up – Depois daquele beijo (1966), capa do CD-single How soon is now? (1992)

 

hi_1992_thereisalightcd1_1A cantora britânica Sandie Shaw, capa do single There is a light that never goes out (1986)

 

hi_1995_singlescd_1A atriz britânica Diana Dors no filme Yield to the night (1956), capa da compilação Singles (1995)

 

hi_1995_sweet12_1O boxeador Cornelius Carr, em imagem extraída do vídeo de Boxers (1995), single solo de Morrissey, aqui na capa do single dos Smiths Sweet and tender hooligan (1995)

 

hi_2001_theverybestcd_1O comediante britânico Charles Hawtrey, capa da coletânea The very best of The Smiths (2001)

 

[Fontes principais: The Smiths Iconic Sleeve Covers e Vulgar Picture]

Read Full Post »

elvispresley

Read Full Post »

Older Posts »